Apple perde primeiro lugar na China com queda nas vendas de smartphones

Há apenas três meses, a Apple se tornou a marca de smartphones mais vendida na China pela primeira vez em seis anos. Agora, ficou para trás de seus rivais chineses depois de sofrer mais do que outros com uma queda nas vendas no primeiro trimestre.

Dois relatórios de pesquisa publicados esta semana mostraram a Apple caindo para o terceiro lugar, atrás das marcas chinesas de aparelhos Android.

A mudança nas classificações do mercado ocorre quando a China enfrenta uma forte desaceleração econômica e as restrições da Covid-19 freiam os gastos do consumidor.

As vendas de smartphones na China caíram 14% no primeiro trimestre, com os volumes caindo “próximos dos níveis vistos durante o grave impacto da pandemia no primeiro trimestre de 2020”, disse a Counterpoint Research em um relatório na quinta-feira (28).

As vendas da Apple caíram 23% nos três meses até março, em comparação com o trimestre anterior, acrescentou a Counterpoint Research. A empresa teve um rápido crescimento na China no ano passado, logo após o lançamento do iPhone 13.

Sua participação de mercado na China agora é de 17,9%, em comparação com 21,7% no trimestre encerrado em dezembro.

Um relatório da Canalys nesta sexta-feira (29) também mostrou que a Apple caiu de líder de mercado na China para o terceiro lugar, com seus embarques no primeiro trimestre caindo 36% em relação ao trimestre anterior. A Canalys rastreia as remessas dos fabricantes para os pontos de venda, em vez das vendas aos consumidores.

Ivan Lam, analista sênior da Counterpoint Research, atribuiu o declínio da Apple em parte à desaceleração econômica na China que “afetou o dinheiro no bolso das pessoas”.

Marcas chinesas – incluindo Vivo, Honor e Oppo̦ – se saíram melhor que a Apple, pois suas vendas se recuperaram depois de sofrer com o forte desempenho do iPhone 13 no último trimestre de 2021, acrescentou Lam.

No geral, um declínio sazonal na demanda e uma grande incerteza econômica arrastaram o mercado nos primeiros meses deste ano.

“Não acho que os dados do segundo trimestre melhorarão muito, pois os bloqueios contínuos continuarão afetando a disposição dos consumidores de gastar”, disse Lam ao CNN Business.

Atualmente, existem bloqueios totais ou parciais em pelo menos 27 cidades da China, afetando até 165 milhões de pessoas, segundo cálculos da CNN. Xangai – o principal centro financeiro do país e um importante centro de manufatura – está fechada há mais de um mês. As restrições forçaram muitas empresas a fechar e deram um grande golpe na atividade econômica.

A economia da China desacelerou acentuadamente nos últimos dois meses. As vendas no varejo contraíram em março pela primeira vez em mais de um ano. Enquanto isso, o desemprego subiu para um recorde de 6% em 31 grandes cidades.

“Esses fatores, combinados com a tendência de queda da demanda já visível no mercado de smartphones da China antes da nova onda de pandemia, impactaram significativamente o setor”, disse Mengmeng Zhang, analista de pesquisa da Counterpoint Research, no relatório que acompanha o lançamento de dados.

Ela espera que a demanda por smartphones na China permaneça “insatisfatória” por causa do sentimento fraco do consumidor e da falta de inovações para estimular os consumidores.

Não é apenas a fraca demanda que está prejudicando a Apple na China. A empresa também está enfrentando desafios na cadeia de suprimentos decorrentes dos bloqueios da China.

A Foxconn, uma importante fornecedora da Apple, interrompeu a produção em sua fábrica de Shenzhen por alguns dias no mês passado, quando a cidade impôs um bloqueio de Covid. A Pegatron, uma montadora de iPhone, também suspendeu as operações em suas fábricas de Xangai e Kunshan no início deste mês.

O CEO Tim Cook disse na quinta-feira durante uma teleconferência de resultados que as crescentes restrições à Covid na China, juntamente com a escassez de silício em todo o setor, afetariam o próximo trimestre da empresa em US$ 4 bilhões a US$ 8 bilhões.

“Os problemas da cadeia de suprimentos continuam sendo um vento contrário na China e isso pesará no crescimento do trimestre de junho”, disse Dan Ives, analista da Wedbush Securities.

No início deste mês, Canalys alertou que os fornecedores de smartphones no mundo enfrentam grandes incertezas devido aos bloqueios contínuos da China, à guerra Rússia-Ucrânia e à ameaça de inflação.